Segunda Inspirada – Por você mesmo

Hoje quem vai lhe inspirar é você mesmo!

Olha pro seu passado, pensa o que desejava para você que conseguiu conquistar. Por mais pessimista que seja algum sonho você realizou, nem que seja poder atravessar a rua sem ter a mão dada. Ou finalmente, você conseguiu a mão dada de quem ama.
Aquele trabalho que sempre quis, não? E jantar o que quiser?
Aprendeu a cozinhar?

De repente achei meu antigo blog e relembrei quem eu era e, assim, quem eu sou.

A gente passa a vida tentando se adaptar a um mundo que a gente não entende bem como se vive, e vai perdendo de si próprio tentando encaixar a um lugar sem encaixe.
Depois, passamos horas na terapia reencontrando a essência perdida.

Talvez as horas da terapia diminuam um pouco se você reler seu diário empoeirado guardado no armário, uma cartinha que recebeu da amiga na sexta série ou até se você entrar no seu hoje vergonhoso fotolog.

Cada lembrança encontrada serve como pista para descobrir você.

Eu queria postar o link do meu blog, na época era aberto a todos sem problema, mas hoje o acho tão revelador que me sinto pelada lendo e nada confortável em divulgar.

É bom me olhar lá trás e ter vontade de me abraçar. Que vontade de falar pra mim mesma: Relaxa, você vai realizar seus sonhos!

É bom não me sentir sozinha comigo mesma. É bom conhecer alguém no mundo e entender esse alguém, principalmente sendo eu.

Experimenta, procura fotos antigas! E nesse ponto o facebook tem ajudado muito, mas suas memórias lá ainda são recentes. Vai lá no fundo do baú.

Se perdoe.

Se ame.

Relendo minhas angústias percebo que a grande maioria delas é motivo de piada hoje. E isso me conforta com meus problemas atuais. Com o que sofro hoje, continuarei sofrendo daqui há uns 3 anos? Não? Então, relaxa!

É estranho que alguns sentimentos já não fazem parte de mim, mas muitos mesmo voltam a tona de tempos em tempos.

Encontrei posts muito parecidos com anos de diferença.

Com um pouco de vergonha, mas pra não te deixar curioso, te estimular a rever seu passado e, claro, também para homenagear a Paulinha do antes, um pouquinho de mim/ dela  (se continuar curioso sobre essa Paulinha, conheça meu orkut!  ):

Terça-feira , 20 de Março de 2007

Dia Nacional das Promessas da Paulinha

Eu ando com muitos planos e vontades para fazer várias coisas boas: organizar meu horário, caminhar, comer menos e melhor, ler tudo o que eu desejo e assitir filmes todos os dias.

Tenho certeza que quando eu fizer tudo isso serei uma pessoa melhor, sei que sou capaz de tudo isso! Já tenho tudo planejado na minha cabeça.

Mas, por que diabos, quando eu vou por em prática, não consigo?

Ponho o despertador às 7 da manhã (sendo que trabalho só às 13h), já me imaginando acordando e colocando um filme do John Ford, Fellini, Almodovar, Woody Allen no dvd. Mais tarde na Praça Buenos Aires fazendo alongamento, bebendo água, caminhando, sorrindo como nas propagandas de tênis ou de yogurt para intestino preso. Depois estou na praça Vilaboin lendo os textos pra faculdade, lendo os livros que tanto quero ler, tomando um sol e com a pele linda.

O despertador toca. O único pensamento que vem na minha mente é: “Mais 5 minutos não faz mal a ninguém.” Geralmente esses 5 minutos se transforam em 5 horas, acordo ao meio dia tomo banho, almoço correndo e vou para o trabalho.

Tenho certeza que quero realmente fazer tudo que planejo! Mas na hora H que eu preciso agir, minha força some!

Acho que é a zica da segunda feira. Todo mundo quer cumprir promessas no mesmo dia! Segunda feira o dia do ex gordo, do ex fumante, do ex alcoólatra, do ex alguma coisa. Acho que condensa os desejos de toda a população do mundo no mesmo dia e daí fica muito sobrecarregado. Tadinha da segunda feira, ela não pode ajudar todo mundo!

Eu vou testar a quarta feira! Amanhã vai ser o dia da Paulinha. O dia dos meus desejos se realizarem. Quarta-feira o dia nacional das promessas da Paulinha. Por favor só eu, não todas as “paulinhas” porque vai que vira uma segunda feira congestionada de desejos.

 

Terça-feira , 10 de Abril de 2007

eu mesma

Eu tinha escrito e ia reescrever sobre o movimento, a dança e a abertura causada por eles para recebermos e trocarmos novas energias (pq foi o que eu mais refleti no feriado).

Mas, eu estou encanada com outra coisa agora…

Atualmente eu andava percebendo o quanto eu passei a viver mais eu mesma, fazendo minhas vontades ou não fazendo para não sofrer consequências. Estava conseguindo administrar muito bem isso, conseguindo fazer muitas coisas que eu queria e tendo apenas resultados agradáveis ou neutros.

Eu estava achando que finalmente eu poderia ser eu mesma. Sendo assim feliz.

Mas não, hoje percebi que nunca estaremos livres completamente para sermos nós mesmos. O tempo todo haverão olhares sobre nós, pessoas nos condenando, nos pré julgando e nos interpretando mal. Pelo simples fato de querer ver o mal em você.

No entanto, isso não me prejudica, só me faz crescer mais porque percebo que como nunca poderei mudar os outros e apenas a mim mesma para crescer, evoluir e só aprimorar devo continuar fazendo as coisas de acordo com a minha consciência e sendo responsável com todos os meus atos. Claro que vou errar muito no meu caminho, mas como já diz o ditado mais falado (depois ~de rapadura é doce mais não é mole não~) “é errando que se aprende”.

Leitor do blog, não eu não fiz nada demais para me condenarem e eu escrever aqui… estou apenas refletindo.

 

Quinta-feira , 12 de Abril de 2007

lagartixa morta

Esses dias no trabalho eu vi uma lagartixa morta, morri de dó. Fiquei imaginando ela seguindo seu percurso de vida quando alguém a matou. Imaginei-a tranquila quando surgiu um desepero. Espero que tenha sido uma morte rápida.

Sem querer eu derrubei um negócio pesado em cima da lagartixa depois dela já estar morta. Me senti muito mal. Como se estivesse destruindo um corpo sem enterrá-lo.

Eu conseguia ver sua coluna vertebral!

Por que será que eu senti mais pena da lagartixa depois de ver a coluna vertebral?

A lagartixa era minuscula, um filhotinho do tamanho de uma barata gigante.

não tenho dó de matar aranhas, nem moscas, nem barata…

Será que tive dó da lagartixa só porque ela tem uma coluna vertebral e sendo assim ela é semelhante a mim?

 

Quinta-feira , 21 de Junho de 2007

O estalo que vem de dentro

Tem certas coisas que não podem acontecer à força.

Depende apenas de um estalo dentro da gente para acontecer.

É como parar de fumar, claro que devemos fazer um esforço, mas só paramos quando vem um estalo interno que mostra que realmente queremos parar, senão.. trabalhamos em vão.

Eu tinha aula de filosofia no meu 2.o e 3.o colegial. Essas aulas acompanhadas da leitura de O mundo de Sofia foram a primeira porta aberta para eu perceber que os pensamentos e questionamentos que tinha sozinha, e que todo mundo deve ter, sobre o mundo e que eu acreditava serem bobos não são inúteis.

Mas havia certos pontos na aula que, por mais que eu compreendesse na teoria, não penetravam minha pele e não faziam parte da minha alma.

Talvez eu achasse que havia compreendido tudo e aquilo fosse algo assim mesmo superficial. Mas só mais tarde comecei a compreender. O pensamento veio sozinho em uma viagem real e irreal.

E de repente eu lembrei: Caraleo, eu não fui a primeira pessoa a pensar isso! Tive isso na aula de filosofia!

E aí compreendi o que meu professor se empenhava tanto em colocar na minha mente não só assim na superficialidade da teoria, mas adentrando minhas entranhas, fazendo parte de mim, uma compreensão completa.

É assim, em um clique interno. Não adianta forçar.

Terça-feira , 04 de Setembro de 2007

essa tal de felicidade

Os animais vivem, apenas vivem – e por isso são felizes. Passam os dias comendo, se comunicando de alguma maneira, fazendo uma caminhadinha, um sexo, tirando uma sonequinha debaixo do sol.

Os homens vivem projetando coisas. Colocam a felicidade longe. Pregada em realizações, no trabalho, no amor, na família, nas amizades, na opinião dos outros.

“Se eu ganhar na mega-sena serei feliz, se eu viajar para paris serei feliz, se eu tivesse amigos iguais ao seriado do friends minha vida seria perfeita, se tivesse filhos, se encontrasse o amor igual ao do filme, se eu fosse diretora de hollywood… se… se… se.”

Olhando superficialmente poderíamos condenar o bichinho. Ele é feliz porque ele é egoísta. Ele vive para ele mesmo, pela própria sobrevivência e satisfação.

Mas o homem também é egoísta só que de uma maneira hipócrita. Com uma falsa sociedade, um “falsos-amigos”, uma busca contínua, estressante e competitiva pela tal felicidade que quando mais parece próxima, mais parece única. A mesma almejada por todos e não encontrada por ninguém.

A felicidade que se almeja de maneira errada nunca é encontrada, porque ela não existe. Parece triste, mas na verdade é muito confortante saber que a vida perfeita não existe! Não existe! Só sabendo disso é possível viver a vida do jeito que é, fazendo as coisas por si mesmo, sem ter que provar pra ninguém. Sendo feliz como uma vaquinha no pasto.

A felicidade não está em nada que possa ser nomeado. A felicidade é muito abstrata para ser ligada a alguma coisa material, a alguma coisa além do “viver um dia após o outro”.

É muito mais prazeroso crescer a cada dia, encontrar surpresas, enfrentar desafios, conhecer pessoas, sorrir, aprender.. quando isso não é uma obrigação. É prazeroso quando é algo natural.

Ser feliz primeiro.

 

 

 

Agora você me conhece bastante, comenta aqui pra eu te conhecer também!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *