Segunda inspirada: Sopa de Pedra, ops de Ferro

Você conhece a história da sopa de pedra?

Em resumo, um viajante com fome teve uma brilhante ideia para conseguir comida. Bateu na porta de uma casa e disse: “Senhor, por favor, teria um pouco d’água para eu fazer uma sopa com essa pedra milagrosa que tenho em mãos?”. O dono da casa muito curioso em como uma pedra bruta se transformaria na maravilhosa sopa que o viajante prometeu, lhe deu água, sal e panela. Em seguida, o homem faminto pediu um pouco de batata, pois daria um toque especial. O senhor que adorava sopa não recusou, ansioso para experimentar a iguaria. “Ah, lembrei que com cenoura fica muito melhor” “Claro, eu tenho!” “Não posso esquecer da cebola!” E assim foi pedindo vários vegetais… Até que sem perceber até carne o dono da casa lhe dava. O prato ficou uma delícia mesmo, ele tirou a pedra e serviu. Todos felizes. A historiadora e autora do livro Brasil põe a mesa (Ed. Moderna), Vera Vilhena de Toledo que me contou.

Essa lenda antiga, nunca foi tão atual e real.

Você conhece a sopa do peixinho de ferro?

sopa

Nesse caso, o peixinho é realmente fundamental para que a sopa seja nutritiva ao contrário da pedra. Para ser mais exata, ele serve aproximadamente 75% do consumo diário de ferro recomendado para um adulto. E ainda, ele pode ser reutilizado por anos.

Criado pelo canadense Christopher Charles, o peixe já está promovendo a diminuição de anêmicos no Camboja, lugar onde deficiência de ferro acomete metade da população. Mais de 2500 pessoas foram beneficiadas, e dos que estão cozinhando com ele há um ano 50% não estão mais anêmicos.

O peixinho chamado Lucky Iron Fish é muito mais “mágico” que a pedra do viajante, não? Vou explicar como funciona. Coloque-o na água fervente por 10 minutos, depois use a água para cozinhar o que for. Junte um pouco de suco de qualquer fruta cítrica, como limão que ajuda na absorção do ferro.

Screen Shot 2015-10-04 at 8.30.54 PMClaro que depois é só lavá-lo, afinal você não vai querer a sopa de batata com gosto da de cebola de ontem.

lavando

O mais legal de tudo é que você pode ajudar a diminuir a anemia (que acomete aproximadamente 3.5 bilhões de pessoas no mundo) porque quando compra um para você, a instituíção responsável entrega outro para uma família que precise. Aqui ó.

meninos
menino

Para começar a semana fazendo o bem, conheça mais pelo vídeo:

Onde ir: Um dia sozinho na Vila Madalena

Vocês não sabem como é complicado fazer essa tag “Onde ir” que inventei pro blog. Sábado fui conhecer  a Liberdade para postar aqui. Comi de um tudo em vários lugares para ter repertório de recomendações e… tive piriri! Bom, como fui em muitos restaurantes e barraquinhas não sei bem o que me fez mal e melhor não falar de nada. Tudo pelos ares. Isto posto, desabafo feito, vamos ao que interessa!

Eu vivo na Vila Madalena. Não no sentido figurado. Eu realmente moro nesse bairro. Ou mais ou menos nele, talvez esteja numa divisa, enfim… Olha eu fugindo do trabalho e papeando sobre minha moradia rs…

Então, eu sempre vivi na Vila Madalena, mesmo quando não morei por aqui, por isso acredito que tenha conhecimento de causa para indicar meus lugares preferidos. Vamos passar um dia inteirinho sozinho(a) por aqui? E se sua folga cai durante a semana não tem problema não!

Comece o dia cedo, que tal correr na Avenida Sumaré? Pode andar de bike ou só caminhar com ou sem cachorro, lá tem de tudo! Para quem gosta de ver gente é ótimo, movimentada, não importa o dia ou a hora, sempre vai cruzar alguém.

Depois disso já estaria pronta para almoçar. São tantas opções que até dói escolher, mas vou num dos meus preferidos na Aspicuelta: o São Cristovão! 

saocrisMeus pais e o famoso choppinho de lá

Adoro a comida de lá, o atendimento, o ambiente todo decorado com fotos e elementos ligados ao futebol e o chopp é delicioso.

Vai direto para o prato principal que o dia vai ser cheio de comidinhas!

O lugar é pequeno, as mesas são próximas, então dá para observar as pessoas e se sentir parte de um todo ou ver o movimento da rua se preferir ficar do lado de fora.

Saindo de lá daria uma caminhadinha pelas ruas, sempre tem algum lugar novo que abriu ou uma lojinha interessante.

Sem pressa, iria depois para a Livraria da Vila da Fradique. Depois de passar um bom tempo lendo, tomaria um café (e olha que não sou de café) Expresso Romano que vem com uma casquinha de limão. Bem gostoso.

Dê uma passadinha na loja Solar  na Inácio, tem vários objetos de design curiosos apesar do ponto forte ser abajures e luminárias.

Se for guloso(a) como eu, depois de ir na lojinha, come uma empanada (falei para começar o dia correndo!) no Bar do Seu Zé. Jesus amado, é viciante! Tem de palmito, queijo branco e alho poró; de costela com mandioca; frutos do mar; carne seca com queijo coalho;  carne seca com mandioca; pepperoni e queijo… hmm, vou parar de escrever que estou salivando! E é apenas 8 reais.

Depois de comer tanto o corpo está preparado para uma bela caipirinha, desse a rua (pode ser rolando, eu deixo) e vai para o Peixaria na Inácio mesmo. Ele mereceria um post só dele, mas caiu tão bem nesse passeio. Com cadeira de praia, cooler de isopor, caipirinha servida em pote de vidro, você se sente na beira do mar. Tá, tem ajuda do cheirinho de peixe, que não é o suficiente para atrapalhar nada. O nome não é a toa, lá vende peixe, além de diversos pratos compostos por ele. Tá bom, se aguentar pode comer mais, afinal temos 3 refeições ao dia. Se quiser terminar leve, vá de tapioca, a de lá é uma delícia.

peixa

Espero que tenha gostado. Se fizer o passeio jura que me conta o que achou?

Beijos

 

Segunda Inspirada: Tiana

Essa semana uma garotinha chamada Tiana impressionou o mundo mais que com a oratória incrível, com sua inteligência emocional.

A menina de 6 anos explicou esplendorosamente o porquê de sua mãe divorciada não poder brigar com seu pai.

Muitas vezes falamos na frente de crianças sobre diversos assuntos que pensamos que não compreenderão. Pais brigam, discutem, xingam… É difícil imaginar que com apenas essa idade vivida entre dormir, comer, ir ao banheiro e brincar, ela tenha aprendido tanto.
Me fez pensar que nascemos sabendo e vamos emburrecendo com o passar do tempo.

Impressiona ver que ao mesmo tempo que ela utiliza recursos imaginários como “Monstros que comerão pessoas”, usa poesia para explicar o que sente. Eu não quero estar acima de você, nem abaixo, quero estar no meio na altura do meu coração que é quem fala agora. (não é bem com essas palavras, mas assim guardei na memória)

E é o que eu quero do mundo também: sorrir e ver gente sorrindo. Se você também quer, há esperança com Tiana.

Não vamos deixar Tiana emburrecer como a gente, certo?

Se amou a  garotinha e quer conhecer mais dela, sua mãe criou uma página no facebook: Clique Aqui!

 

O cheiro das quase 20h

das pequenas felicidades, uma das mais antigas é percorrer o bairro durante a semana às quase 20 horas.

pronto, passou. passou o metrô cheio, trânsito e cansaço. ainda não passou a fome. mas calma, está prestes, e não há nada mais gostoso na vida do que estar prestes a se saciar.

quase 20 horas. a temperatura está boa.
a primavera começou e ela está melhor que nunca.
a essa hora dama-da-noite já liberou geral.

quase 20 horas. voltaram da escola, barulho de vida.
tampa de panela, prato e colher.

som abafado de janela semi-aberta.
som quente de bafo de fogão.
fresta de cheiro bom.

molho de tomate.
coentro. cominho. canela? é, hoje tem feijão.
carne assada. frango frito.
hmmm, beringela!

“tá bom, só um pouquinho desse mato, mas bem pouquinho”.
com certeza é espinafre. com ou sem molho branco? não estou sentindo a pimenta do reino.
lembra o tempero da casa da minha vó, do que era mesmo?

barulho de intimidade. cheiro de família.

quase 20 horas, amo você.

Segunda Inspirada – Por você mesmo

Hoje quem vai lhe inspirar é você mesmo!

Olha pro seu passado, pensa o que desejava para você que conseguiu conquistar. Por mais pessimista que seja algum sonho você realizou, nem que seja poder atravessar a rua sem ter a mão dada. Ou finalmente, você conseguiu a mão dada de quem ama.
Aquele trabalho que sempre quis, não? E jantar o que quiser?
Aprendeu a cozinhar?

De repente achei meu antigo blog e relembrei quem eu era e, assim, quem eu sou.

A gente passa a vida tentando se adaptar a um mundo que a gente não entende bem como se vive, e vai perdendo de si próprio tentando encaixar a um lugar sem encaixe.
Depois, passamos horas na terapia reencontrando a essência perdida.

Talvez as horas da terapia diminuam um pouco se você reler seu diário empoeirado guardado no armário, uma cartinha que recebeu da amiga na sexta série ou até se você entrar no seu hoje vergonhoso fotolog.

Cada lembrança encontrada serve como pista para descobrir você.

Eu queria postar o link do meu blog, na época era aberto a todos sem problema, mas hoje o acho tão revelador que me sinto pelada lendo e nada confortável em divulgar.

É bom me olhar lá trás e ter vontade de me abraçar. Que vontade de falar pra mim mesma: Relaxa, você vai realizar seus sonhos!

É bom não me sentir sozinha comigo mesma. É bom conhecer alguém no mundo e entender esse alguém, principalmente sendo eu.

Experimenta, procura fotos antigas! E nesse ponto o facebook tem ajudado muito, mas suas memórias lá ainda são recentes. Vai lá no fundo do baú.

Se perdoe.

Se ame.

Relendo minhas angústias percebo que a grande maioria delas é motivo de piada hoje. E isso me conforta com meus problemas atuais. Com o que sofro hoje, continuarei sofrendo daqui há uns 3 anos? Não? Então, relaxa!

É estranho que alguns sentimentos já não fazem parte de mim, mas muitos mesmo voltam a tona de tempos em tempos.

Encontrei posts muito parecidos com anos de diferença.

Com um pouco de vergonha, mas pra não te deixar curioso, te estimular a rever seu passado e, claro, também para homenagear a Paulinha do antes, um pouquinho de mim/ dela  (se continuar curioso sobre essa Paulinha, conheça meu orkut!  ):

Terça-feira , 20 de Março de 2007

Dia Nacional das Promessas da Paulinha

Eu ando com muitos planos e vontades para fazer várias coisas boas: organizar meu horário, caminhar, comer menos e melhor, ler tudo o que eu desejo e assitir filmes todos os dias.

Tenho certeza que quando eu fizer tudo isso serei uma pessoa melhor, sei que sou capaz de tudo isso! Já tenho tudo planejado na minha cabeça.

Mas, por que diabos, quando eu vou por em prática, não consigo?

Ponho o despertador às 7 da manhã (sendo que trabalho só às 13h), já me imaginando acordando e colocando um filme do John Ford, Fellini, Almodovar, Woody Allen no dvd. Mais tarde na Praça Buenos Aires fazendo alongamento, bebendo água, caminhando, sorrindo como nas propagandas de tênis ou de yogurt para intestino preso. Depois estou na praça Vilaboin lendo os textos pra faculdade, lendo os livros que tanto quero ler, tomando um sol e com a pele linda.

O despertador toca. O único pensamento que vem na minha mente é: “Mais 5 minutos não faz mal a ninguém.” Geralmente esses 5 minutos se transforam em 5 horas, acordo ao meio dia tomo banho, almoço correndo e vou para o trabalho.

Tenho certeza que quero realmente fazer tudo que planejo! Mas na hora H que eu preciso agir, minha força some!

Acho que é a zica da segunda feira. Todo mundo quer cumprir promessas no mesmo dia! Segunda feira o dia do ex gordo, do ex fumante, do ex alcoólatra, do ex alguma coisa. Acho que condensa os desejos de toda a população do mundo no mesmo dia e daí fica muito sobrecarregado. Tadinha da segunda feira, ela não pode ajudar todo mundo!

Eu vou testar a quarta feira! Amanhã vai ser o dia da Paulinha. O dia dos meus desejos se realizarem. Quarta-feira o dia nacional das promessas da Paulinha. Por favor só eu, não todas as “paulinhas” porque vai que vira uma segunda feira congestionada de desejos.

 

Terça-feira , 10 de Abril de 2007

eu mesma

Eu tinha escrito e ia reescrever sobre o movimento, a dança e a abertura causada por eles para recebermos e trocarmos novas energias (pq foi o que eu mais refleti no feriado).

Mas, eu estou encanada com outra coisa agora…

Atualmente eu andava percebendo o quanto eu passei a viver mais eu mesma, fazendo minhas vontades ou não fazendo para não sofrer consequências. Estava conseguindo administrar muito bem isso, conseguindo fazer muitas coisas que eu queria e tendo apenas resultados agradáveis ou neutros.

Eu estava achando que finalmente eu poderia ser eu mesma. Sendo assim feliz.

Mas não, hoje percebi que nunca estaremos livres completamente para sermos nós mesmos. O tempo todo haverão olhares sobre nós, pessoas nos condenando, nos pré julgando e nos interpretando mal. Pelo simples fato de querer ver o mal em você.

No entanto, isso não me prejudica, só me faz crescer mais porque percebo que como nunca poderei mudar os outros e apenas a mim mesma para crescer, evoluir e só aprimorar devo continuar fazendo as coisas de acordo com a minha consciência e sendo responsável com todos os meus atos. Claro que vou errar muito no meu caminho, mas como já diz o ditado mais falado (depois ~de rapadura é doce mais não é mole não~) “é errando que se aprende”.

Leitor do blog, não eu não fiz nada demais para me condenarem e eu escrever aqui… estou apenas refletindo.

 

Quinta-feira , 12 de Abril de 2007

lagartixa morta

Esses dias no trabalho eu vi uma lagartixa morta, morri de dó. Fiquei imaginando ela seguindo seu percurso de vida quando alguém a matou. Imaginei-a tranquila quando surgiu um desepero. Espero que tenha sido uma morte rápida.

Sem querer eu derrubei um negócio pesado em cima da lagartixa depois dela já estar morta. Me senti muito mal. Como se estivesse destruindo um corpo sem enterrá-lo.

Eu conseguia ver sua coluna vertebral!

Por que será que eu senti mais pena da lagartixa depois de ver a coluna vertebral?

A lagartixa era minuscula, um filhotinho do tamanho de uma barata gigante.

não tenho dó de matar aranhas, nem moscas, nem barata…

Será que tive dó da lagartixa só porque ela tem uma coluna vertebral e sendo assim ela é semelhante a mim?

 

Quinta-feira , 21 de Junho de 2007

O estalo que vem de dentro

Tem certas coisas que não podem acontecer à força.

Depende apenas de um estalo dentro da gente para acontecer.

É como parar de fumar, claro que devemos fazer um esforço, mas só paramos quando vem um estalo interno que mostra que realmente queremos parar, senão.. trabalhamos em vão.

Eu tinha aula de filosofia no meu 2.o e 3.o colegial. Essas aulas acompanhadas da leitura de O mundo de Sofia foram a primeira porta aberta para eu perceber que os pensamentos e questionamentos que tinha sozinha, e que todo mundo deve ter, sobre o mundo e que eu acreditava serem bobos não são inúteis.

Mas havia certos pontos na aula que, por mais que eu compreendesse na teoria, não penetravam minha pele e não faziam parte da minha alma.

Talvez eu achasse que havia compreendido tudo e aquilo fosse algo assim mesmo superficial. Mas só mais tarde comecei a compreender. O pensamento veio sozinho em uma viagem real e irreal.

E de repente eu lembrei: Caraleo, eu não fui a primeira pessoa a pensar isso! Tive isso na aula de filosofia!

E aí compreendi o que meu professor se empenhava tanto em colocar na minha mente não só assim na superficialidade da teoria, mas adentrando minhas entranhas, fazendo parte de mim, uma compreensão completa.

É assim, em um clique interno. Não adianta forçar.

Terça-feira , 04 de Setembro de 2007

essa tal de felicidade

Os animais vivem, apenas vivem – e por isso são felizes. Passam os dias comendo, se comunicando de alguma maneira, fazendo uma caminhadinha, um sexo, tirando uma sonequinha debaixo do sol.

Os homens vivem projetando coisas. Colocam a felicidade longe. Pregada em realizações, no trabalho, no amor, na família, nas amizades, na opinião dos outros.

“Se eu ganhar na mega-sena serei feliz, se eu viajar para paris serei feliz, se eu tivesse amigos iguais ao seriado do friends minha vida seria perfeita, se tivesse filhos, se encontrasse o amor igual ao do filme, se eu fosse diretora de hollywood… se… se… se.”

Olhando superficialmente poderíamos condenar o bichinho. Ele é feliz porque ele é egoísta. Ele vive para ele mesmo, pela própria sobrevivência e satisfação.

Mas o homem também é egoísta só que de uma maneira hipócrita. Com uma falsa sociedade, um “falsos-amigos”, uma busca contínua, estressante e competitiva pela tal felicidade que quando mais parece próxima, mais parece única. A mesma almejada por todos e não encontrada por ninguém.

A felicidade que se almeja de maneira errada nunca é encontrada, porque ela não existe. Parece triste, mas na verdade é muito confortante saber que a vida perfeita não existe! Não existe! Só sabendo disso é possível viver a vida do jeito que é, fazendo as coisas por si mesmo, sem ter que provar pra ninguém. Sendo feliz como uma vaquinha no pasto.

A felicidade não está em nada que possa ser nomeado. A felicidade é muito abstrata para ser ligada a alguma coisa material, a alguma coisa além do “viver um dia após o outro”.

É muito mais prazeroso crescer a cada dia, encontrar surpresas, enfrentar desafios, conhecer pessoas, sorrir, aprender.. quando isso não é uma obrigação. É prazeroso quando é algo natural.

Ser feliz primeiro.

 

 

 

Agora você me conhece bastante, comenta aqui pra eu te conhecer também!